quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Saúde do Principezinho: Mãe Vs. Médica


Depois de um fim-de-semana inteiro a fazer aerossóis contínuos ao Principezinho, a segunda-feira chegou com um agravamento do seu quadro respiratório. Chegou a atingir o estado de hipóxia (durante o pequeno-almoço as saturações de O2 eram à volta dos 85%). Tive que lhe colocar as sondas nasais para estabilizar as saturações acima dos 90%.
Mantinha a tosse, hiper-secreções, alguma irritabilidade (quando não conseguia controlar a tosse) e dor no peito.

Logo a seguir ao almoço seguimos para o hospital.

Sendo um doente crónico, o Principezinho está dispensado da triagem médica o que sempre nos poupa tempo crucial no atendimento.
Quando fomos chamados ao gabinete médico, deparámo-nos com uma médica nova que ainda não nos conhecia. Isto, para nós, é sempre um problema... e desta vez não foi excepção!
Qualquer médico que não conheça o seu estado "normal" (o que é normal para ele, não o é para os outros) assusta-se sempre com ele quando dá entrada.
Também é comum os médicos não acreditarem muito no que os pais dizem... não sei porquê, deve ser qualquer coisa que lhes é exigido quando escolhem a área da Pediatria.
Abreviei a história, informando-a apenas da patologia clínica dele e pouco mais.
O sistema informático das urgências não permite ver todo o processo médico do paciente - o que é um lapso gigantesco, na minha opinião, porque assim dava para evitar todo o discurso habitual e as perguntas que já consideramos ridículas... como por exemplo:
Médica: "Ele já esteve internado alguma vez?"
Eu: "Quantas é que quer ouvir?"
Para não fugir a outra "regra" do JM, esta médica não o conseguiu auscultar porque ele desatou a berrar e a contorcer-se todo... encaminhou-o para fazer RX (porque, mesmo sem auscultação a dificuldade respiratória dele era considerável, visível e até audível sem estetoscópio - por isso mesmo é que o levámos ao hospital, sabendo de antemão que necessitaria de antibiótico).
A médica teve que chamar a colega que estava de serviço nos Cuidados Intensivos. Apesar de não acompanhar o Principezinho com tanta regularidade como outras, sempre era uma cara conhecida e ele até fez o conhecido beicinho de charme quando a viu. Deixou esta auscultá-lo sem dificuldade nenhuma, oferecendo até sorrisos malandrecos!
O RX foi visto simultaneamente por estas 2 médicas e disseram-me que ele tinha que ficar internado. Respondi prontamente:
«- Não pode ficar. Quando vínhamos para cá, prometi ao meu filho que hoje não ficaríamos. Era só para tirarmos a "fotografia" ao peito, buscarmos a receita do antibiótico e voltaríamos para casa!»
Claro que a médica das urgências ficou com cara de p. a olhar para mim... a outra respondeu:
«- Ai, ai, esta mãe é demais... olhe que eu acho mesmo que ele devia cá ficar»
Eu retorqui:
«- E eu acho que não! Não se esqueça do último internamento (em 2007): entrou com uma infecção respiratória idêntica a esta, quando já tinha previsão de alta apanhou uma infecção a Mycoplasma Pneumoniae, necessitando de ventilação assistida. Passado um mês e meio, quando já estava novamente com previsão de alta foi contagiado por EBV (vírus de Epstein-Bar, provocando Mononucleose infecciosa), necessitando novamente de ventilação assistida... por isso temos a certeza que não queremos cá ficar! Não quero arriscar mais infecções cruzadas!»
Decidiram então que ele faria de imediato um aerossol com Ventilan e tomaria um comprimido de Prednisolona (que pertence ao grupo farmacêutico dos glucocorticóides e actuaria como anti-inflamatório dos pulmões).
Depois do aerossol feito, de tomada a Prednisolona, fizémos cinesioterapia respiratória e de seguida pedi à enfermeira para fazer mais um aerossol simples.
Voltámos à sala de espera, dei o lanche ao Principezinho e ele aguentou-se já sem oxigénio...
Passadas cerca de 2h desde a última vez que fomos ao gabinete, lá fomos chamados novamente. Desta vez o JM deixou-a auscultá-lo. Insistiu com o internamento. E eu insisti que não...
Entre várias ideias trocadas, ficaram a pairar frases como:
Dra. - «Aqui quem é a médica sou eu!»
Eu -«E quem é a Mãe sou eu e eu é que conheço melhor o meu filho e sei que consigo controlar isto em casa se tiver lá as medicação necessária para o efeito!... não esquecendo que tenho um ambiente controlado, enquanto aqui já sei muito bem o que "a casa gasta"»
Dra. - «Oiça, já lhe arranjamos cama nos CI/Especiais (como quem diz: já é um favor...) que tem um ambiente mais controlado e uma melhor monitorização...»
Eu - «Dra., nem nós aceitamos a ideia dele ficar internado numa outra unidade que não essa, por todos os motivos: a começar pelo facto que foi aqui (no SO) que tudo começou e onde ele foi infectado com Adenovírus há 3 anos e meio atrás. Sim. Não sabia?!? (perante o olhar estupefacto dela... não sei se porque efectivamente não sabia da história dele ou se porque eu a estava a confrontar: ela no gabinete e eu no corredor - onde toda a gente podia ouvir)... O JM era uma criança perfeitamente saudável até ao 1º ano de vida, depois veio para aqui com uma bronquiolite, apanhou o maldito Adenovírus e ficou com uma PC e com a DP. Desde aí são constantes internamentos - sempre nos CI, todos de meses, sempre com infecções cruzadas ... Por isso, uma vez mais digo-lhe que não quero que ele cá fique desta vez!»
Dra. - «Mas ele tem parâmetros para ficar internado. (blá blá blá)»
Eu - «Eu sei muito bem com que parâmetros ele entrou e como é que ele está agora. E também sei que ele agora, está em condições de ir para casa. Diga-me o que é que lhe vão fazer aqui que eu não possa fazer em casa: tenho oxigénio, tenho monitor de SpO2, tenho a principal medicação dele e outra que lhe queiram administrar aqui, podem muito bem passar a receita para eu lhe administrar em casa. Passe-me o antibiótico e nós vamos embora. Se houver algum agravamento, nós voltamos!»
Dra. - «Eu acho que ele não tem condições de ir para casa. Vou falar uma vez mais com a minha colega»
Lá foi direitinha à UCI. Voltou e passado um tempo chama-nos novamente:
«Mãe, tem aqui uma comissão médica...»
Era apenas ela e a chefe de serviço (das urgências)!
Eu - «Ok. E então?»
Dra A. (chefe de serviço) - «Ah! Olá J. Há muito tempo que não te via! Então, mãe, como é que ele tem estado? Já há muito tempo que não fica internado, não é? O que é que se passa hoje?»
Perante a surpresa da médica que nos estava a atender... Eu expliquei à Dra. A. e ela concordou comigo, até porque no dia seguinte a Pneumonologista estava de serviço e nós podíamos vir ter com ela para acertar a medicação...
A médica não quis prescrever a antibiótico porque ele não chegou a ter febre. Prescreveu apenas a Prednisolona (apesar de eu lhe ter dito que a Pneumonologista não queria que ele tomasse corticóides orais - já tínhamos passado essa experiência!).
Apesar desta troca de ideias, nunca lhe levantei a voz, nunca perdi a calma e falei sempre com um sorriso. Acho que não lhe faltei ao respeito, apesar de parecer que ela ficou com essa impressão, pois a última frase dela foi:
«Espero que não se arrependa, mãe e que não tenha que voltar com ele aqui, às pressas, com alguma complicação...»
Claro que passei a noite muito mais atenta, com o coração aceleradíssimo... mas também já faz parte!
No dia seguinte fomos à consulta com a Pneumonologista.
Abreviei a história e ela só ficou admirada porque é que não lhe prescreveram logo o antibiótico... e perguntou-me "mas você não lhe o que costumávamos fazer?"
Não quer que ele tome a Prednisolona!
Principalmente, porque já me alonguei demais:
Já não tenho paciência para muitas coisas...
Sem mais comentários!
***

9 comentários:

D. disse...

Olá,olá

Primeiro que tudo espero que o Jm já esteja melhor e tu um pouquinho mais descansada.

Em relação ao hospital, felizmente, o Afonsinho tem sido saudável e vou sempre ao São Francisco Xavier onde ele é seguido.

Passei por uma situação complicado, o ano passado, no dia que o Afonsinho fez 1 ano e que pela primeira vez adoeceu com um febrão de 41 graus, tivemos que ir ao hospital Fernando Fonseca e os médicos que nos atenderam passaram "horas" a ler o livrinho dele, sem nos dirigirem palavra ou fazer qualquer tipo de pergunta, fez aerosol, rx, foi aspirado para no fim me dizer que estava tudo bem mas, que com estas crianças tinham que ter o máximo cuidado, pois tinham problemas de imunidade, blá, blá...

Eu sei que as aparências iludem mas, será que não percebem que estão a falar com mães, boas cuidadores, responsáveis e que acima de tudo conhecem os filhos bem melhores do que eles?

Enfim... aja paciência

Muitos beijinhos

Grilinha disse...

É difícil...
Estou com o coração apertadinho. Não sei quando escreveste isto, mas andava aflita para asaber do meu principe, mas tinha esperança que as novidades fossem melhores.
Agora já não basta as doenças quanto mais lidar com tanta gente insensível aos nossos receios (fundamentados no teu caso, como é óbvio)

Força, miúdo.
Força papás.


Beijo de quem vos adora

Mãe Sisa disse...

Olá,
Hoje já estou mais descansada porque, graças a Deus, o antibiótico (Azitromicina) é "bombástico" e já começou a fazer efeito. Ainda com muita vigilância, mas a melhorar!
É sempre uma dor de cabeça, cada vez que somos atendidos por médicas novas, não há volta a dar!
Respiramos fundo e lá tentamos ter paciência para situações que se poderiam evitar.
No Natal passado ofereci um livro sobre PC à UCI... este ano acho que vou inventar qualquer literatura de apoio para o serviço de urgências! Acerca da PC e da importância do Cuidador e da confiança que se deve ter em quem desempenha este papel!
NO HSFX (tb já passámos por lá... e pelo HSM, HGH) o contacto pessoal é completamente diferente!
Mas enfim, é aquele o nosso hospital de referência...
Haja mesmo muuuiita paciência!
Obrigada!

ClaudiaMG disse...

Bem "Mãe Sisa", que historia, até uma ida às urgências é complicado, já não basta o Principezinho assim e ainda tens de explicar tudo, pois não têm acesso informático à Ficha Clínica dele. Concordo contigo no ponto é que seria mais fácil ver logo a ficha do paciente em vez de estarmos ali a perder tempo.
Ainda bem que a noite correu bem e que ele está a estabilizar. Esperemos que agora melhore rapidamente.

Um grande beijinho e espero que hoje tudo esteja a correr bem com vocês.

Anónimo disse...

Para o meu Principezinho uma pequena oração"Senhor aquele que amas está doente! Senhor Jesus,que na tua vida terrena revelaste sempre um afecto de infinita compaixão pelos doentes,pousa o teu olhar sobre nós que,através do sofrimento,testemunhamos a fé no teu "AMOR.
Aceita a oferta dos nossos males e das nossas penas e, por meio deles, faz resplandecer a luz da fé no coração de quantos a abandonaram; e dá outra vez a força da tua graça àqueles que a perderam.

SenhorJesus
Rogamos-te que te unas às dores da tua paixão as dores da nossa doença,a fim de que todos os homens possam axprimentar a bondade do Pai e viver na tua paz.

"Oração de Paulo VI AO Doente" BEIJ: Avó do BAUNILHA espero que gostes !.....

Anónimo disse...

Principezinho,desejo com toda a força do universo que quando a minha menssagem chegar a té vós que meu pequeno grande héroi estejas muito melhor do que acabei de lêr,graças a Deus que tens uns pápás que te defedem desses novos médicos,até esquecem que foi por culpa de um deles ,.que tu ficaste com o problema de saúde que hoje tens !...ESquecem depressa os seus erros. beij, com muito carinho e os desejos que tudo esteja melhor também aos pápás e muita força para eles....Avó do Baunilha

Prima Ana disse...

Bem... Sem palavras... só mesmo em Portugal, nem acesso a 1 ficha informática completa que deveria ser algo de extrema importância, prioridade, num hospital.. nem sei q vos diga.. só tendo mesmo muita paciência e sangue frio.. Acho q vocês fizeram mt bem em não deixar internar eu faria exactamente o mesmo!! Aliás desde q tudo aconteceu eu não tenho confiança nenhuma naquele hospital;Sei que há pessoas e pessoas e que ás vezes uns pagam pelos outros mas não consigo achar que aquela instituição em particular tenha alguma credibilidade..
Espero que o pior já tenha passado.. eu já estou 1 bocadinho perdida na cronologia dos acontecimentos desde que falamos p mail.. desculpa!!
Um bj enorme p o meu fofinho e coragem p vocês!!! Prima Ana

Sandra disse...

Amiga,
espero k o João esteja melhor!!!
Como eu te compreendo!!!
Passamos por parvas, tolas, anormais e no fim, se não fossemos nós o que seria dos nossos filhos em alguns dos internamentos!!!
Essa história da triagem(meus Deus, como eu tb já a conheço tão bem) assusta-me sempre que nós tb lá temos de ir....sempre a mesma lenga-lenga, por mais que lhes tentemos explicar que já estamos habituados, que temos k repetir vezes sem conta a mesma história, onde por vezes temos de nos deparar com toda a equipa de enfermagem a pensar"Estes pais são doidinhos"....Enfim
Pois é meus amigos:
Estes pais não são doidinhos, são simplesmente Pais atentos,que sabem mais dos filhos de olhos fechados do que todos os médicos e enfermeiros de olhos BEM abertos!!!
Amiga,
fiquem bem,espero que o Joãozito melhore rapidamente e foge do Hospital!!!!!
Beijoka grande desta mãe k tu conheces
Sandra G.

Mãe Sisa disse...

Sandra,
Que bom "ler-te" por aqui!!!
Espero que consigas presentear-nos mais vezes com os teus comentários...
Sei bem que tu e o JP compreendem na perfeição o pesadelo que passamos, cada vez que temos que ir para lá. Ainda se pudessemos escolher a equipa que nos atenderia...
Espero que os teus príncipes estejam óptimos (especialmente o M. que está quase a fazer aninhos!).
Abraços...